A Psicóloga

• Curso Superior: Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

• Pós-graduação: Mestrado em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, sob a orientação do Professor João Augusto Frayze -Pereira. Olhar Vassalo – Perfil do Público- MASP 1991.

Formação em Psicanálise e Psicopedagogia

• Grupo de Formação em Reich e Freud Professor Dr Fábio Landa - março 1979/maio 1983 e agosto 1986/maio 1989.Grupo de Estudos em Psicanálise/Melanie Klein, coordenado por Pérsio Osório No­gueira - Membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise - SP; em maio de 1991 a maio de 1993.

• Curso: Psicoses Infantis ; Psicopedagoga Nadia A Bossa (8horas). Ano de 1996.

• Mini-curso “Psicoterapia Breve Psicodinâmica”, prof. Stanley Messer, Pontifícia Universidade Católica, Depto. De Pós-Graduação em Psicologia. 03/07/97.

• Curso de Extensão, PUC, “ A teoria pulsional na clínica de Freud”, Luiz Alberto Hanns, Setembro a novembro de 1999 (33hs).

• Curso de Extensão, PUC, “Diagnóstico Diferencial das Neuroses, Psicoses e Perversões”. Luiz Alberto Hanns, abril a junho de 2000 (33 hs).

• Supervisão Clínico-Institucional. Profa. Maria Inês Tassarini, psicanalista e professora assistente da PUC-SP. Período de setembro/04 a agosto/05.

• Supervisão Clínica e Institucional. Profa. Ana Maria Costa Rodrigues da Costa, psicanalista, analista institucional, docente da Coordenadoria Geral de Especialização, Aperfeiçoamento e Extensão (COGEAE) PUC-SP. Período de abril de 2005 a agosto de 2007.

 

Estou exercendo a atividade clínica até o presente momento (ano de 2012) e conto na formação de meu estilo de trabalho com diferentes influências de estudos e supervisão

 

Na clínica psicanalítica, o estilo vem da sedimentação e da depuração. Influências sucessivas de professores, de leituras, de modelos vários, mesmo de pacientes, vem dispor-se como camadas sucessivas que, primeiro devemos acolher quase numa passividade. Só depois que as mais básicas se consolidaram é que estamos aptos a nos deixar cobrir pelas seguintes. E só bem depois, quando diversos níveis de estratificação já se superpõem, uma espécie de corte auto—reflexivo revela-nos quem somos, como nos formamos.

Fabio Hermann